Estudo alerta para insegurança alimentar que afeta 4 mil malgaxes

9 outubro 2013

Relatório de agências da ONU atribui carência a fatores como clima irregular e invasão de gafanhotos; colheitas de arroz e de milho caem em mais de um quinto na última temporada.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Mais de 4 milhões de habitantes nas áreas rurais sofrem de insegurança alimentar em Madagáscar, aponta um novo relatório de agências das Nações Unidas.

A “Avaliação da Situação Alimentar” indica que cerca de 9,6 milhões devem enfrentar carência alimentar devido à previsão do aumento dos preços na época de plantio, que vai de outubro a março.

Invasão 

O estudo, divulgado esta quarta-feira, foi realizado pelo Programa Mundial de Alimentação, PMA, e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

O clima irregular e a invasão de gafanhotos afetaram gravemente a produção de arroz em 2012. A colheita do cereal, tido como a base da alimentação na ilha do Oceano Índico, baixou em cerca de um quinto. Já o cultivo do milho caiu em 28%.

A má temporada agrícola foi igualmente marcada pela combinação de fatores que incluem as cheias causadas pelos ciclones ocorridos este ano, seguidas de um período de chuvas fracas.

Vulneráveis

Para prestar assistência às comunidades vulneráveis o PMA e a FAO concentram atenção especial na assistência alimentar nas necessidades de crianças, mulheres grávidas e lactantes.

As atividades incluem a construção ou reabilitação de infraestrutura da comunidade como canais de irrigação, barragens e sistemas de captação de água através de programas de comida pelo trabalho.

Para o fim de outubro, será levada a cabo uma ação de fumigação coordenada pela FAO e pelo governo contra as populações de gafanhotos. O objetivo é o tratamento de mais de 2 milhões de hectares de terras infestadas.

*Apresentação: Denise Costa.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud