EUA assinam Tratado sobre Comércio de Armas
BR

25 setembro 2013

Secretário-Geral da ONU saudou iniciativa do governo americano; Ban acredita que acordo vai contribuir para reduzir a insegurança e pediu que outros países firmem o documento.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou, esta quarta-feira, que a assinatura do Tratado sobre o Comércio de Armas, ATT, pelos Estados Unidos tem um significado particular.

Em comunicado, Ban disse que o país maior exportador de armas do mundo agora está entre as nações que se comprometeram a uma regulamentação global sobre o comércio de armamentos.

Insegurança e Sofrimento

O chefe da ONU acredita que essa iniciativa vai contribuir com os esforços para reduzir a insegurança e o sofrimento das pessoas por todos os continentes.

Ban fez um apelo para que outros países também firmem o tratado. O número de signatários chegou a 107, o Brasil é um deles.

Desse total, seis deles não só assinaram, como seus congressos ou parlamentos já ratificaram o documento. Para ele entrar em vigor, é necessária a ratificação de, pelo menos, 50 países.

Tratado

O Tratado sobre o Comércio de Armas foi aprovado em abril deste ano com 154 votos a favor, três contra e 23 abstenções. Os votos contrários foram do Irã, Síria e Coreia do Norte.

O acordo vai estabelecer regras globais para a compra e venda de armas convencionais, que movimenta um mercado de US$ 70 bilhões, mais de R$ 150 bilhões, por ano.

O objetivo é impedir que terroristas, facções guerrilheiras e criminosos tenham acesso a armas. O Tratado vai regular a importação, exportação e transferência de armamentos, incluindo navios e tanques de guerra, aviões e helicópteros de combate e armas de pequeno porte.