Na ONU, África defende otimismo sem precedentes na RD Congo

Na ONU, África defende otimismo sem precedentes na RD Congo

Sede da organização acolheu encontro de líderes do continente sobre conflito no país; vice-presidente de Angola participou na minicimeira que destacou a situação do Quadro de Paz, Segurança e Cooperação no país e nos Grandes Lagos.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

África defende que momento de otimismo na busca da solução para o conflito da República Democrática do Congo, RD Congo, deve-se à mobilização regional.

Nesta segunda-feira, líderes do continente e da região dos Grandes Lagos reuniram-se numa minicimeira que destacou a situação do Quadro de Paz, Segurança e Cooperação. O documento, apoiado pela ONU, foi assinado em fevereiro deste ano na capital da Etiópia, Addis Abeba.

Terrorismo

O encontro, realizado nas vésperas do início dos debates da Assembleia Geral, em Nova Iorque, teve a participação de representantes regionais incluindo o vice-presidente angolano, Manuel Vicente.

O ataque terrorista deste sábado contra o centro comercial no Quénia foi referido no encontro, que reafirmou a necessidade de se impulsionar os esforços de luta contra o terrorismo.

Inovação

Em declarações à Rádio ONU, em Nova Iorque, o representante da União Africana nas Nações unidas, Téte António, também mencionou o incidente no Quénia e traçou um paralelo com as mortes na RD Congo.

O embaixador defende que a Brigada de Intervenção no país é uma inovação, mas exigiu maior atenção da Comunidade internacional.

Situação Séria

“A RD Congo está já numa situação que, sem exagerar, é de um genocídio lento do qual não se tem falado tanto. Há muitos mortos no país e, é preciso tomar a situação muito mais a sério. Claro que não são os mesmos atores que agiram, agora, no Quénia - os tais  jihadistas ou atores recalcitrantes como chamam os especialistas da RD Congo são bem localizados, são forças negativas que têm estado a desestabilizar o país e, creio que é preciso atacá-las”, disse.

Para a implementação do acordo regional o Secretário-Geral destacou como primeira prioridade abordar as tensões na região Ban Ki-moon declarou-se encorajado pelos desenvolvimentos, incluindo a recente cimeira extraordinária, em Kampala, da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos.

Maior Atenção

Para Ban, a sua enviada especial para a região dos Grandes Lagos, Mary Robinson, e o representante especial na RD Congo, Martin Kobler, concentram a atenção na promoção da paz, segurança e cooperação.

O representante pede o seguimento do compromisso de Addis Abeba os esforços conjuntos, particularmente o trabalho do Comité de Apoio Técnico para produção dos padrões e indicadores de progresso.