Especial: A noite de homenagem aos Campeões da Terra

19 setembro 2013

Ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, foi a única lusófona entre os sete premiados; evento anunciou aposta de Gisele Bündchen em trabalhar mais sete anos em prol do meio ambiente.

Da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A noite de premiação da 8a. edição dos Campeões da Terra do Programa da ONU para o Meio Ambiente, Pnuma, foi nesta quarta-feira em Nova Iorque.

No Museu de História Natural , o espaço dos tesouros arqueológicos e de fósseis de dinossauros foi partilhado com mais de 500 pessoas que acompanharam a homenagem a sete agraciados.

Distinção

A única lusófona da lista de ganhadores foi a ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que antes de receber a distinção falou com a Rádio ONU.

“Eu recebo este prêmio em uma homenagem a todos os brasileiros, a todos aqueles que se engajam na causa, como também aqueles que trabalham por um país mais justo, um país mais inclusivo, um país que possa ter estabilidade económica, social e ambiental. Estou muito feliz, muito honrada e, pelo que já me foi sugerido aqui, terei mais trabalho pela frente.”

Homenagem

A entrega dos galardões aos Campeões da Terra foi aberta pelo diretor do Pnuma, Achim Steiner. O também subsecretário-geral das Nações Unidas lembrou que a homenagem ocorria um ano depois da Conferência sobre o Desenvolvimento Sustentável, Rio +20.

As ações e a liderança  positiva no meio ambiente e no mundo foram destacadas por Steiner, que falou do impacto do prémio perante a urgência de melhorar a gestão de recursos naturais.

Izabella Teixeira e Achim Steiner. Foto: Pnuma

Progressos

“É uma inspiração para pessoas em países como o Brasil, aqui nos Estados Unidos ou na Europa tem a possibilidade de fazer uma diferença muito importante em passos que começam a nível individual. Finalmente será a sociedade quem tem a capacidade de fazer progressos.”

As primeiras palavras dos vencedores foram ensaiadas pelo professor indiano, Veerabhadran Ramatathan. Ele recebeu o prémio Campeões da Terra na categoria de Ciência e Inovação.

Aquecimento Global

O académico americano de origem indiana descobriu o efeito de estufa provocado pelos humanos através dos CFC’s e de outros gases. O cientista fez a previsão do aquecimento global em 1980. 

O professor disse que o reconhecimento é uma espécie de fórum, para prosseguir a sua pesquisa e o que fazer para melhorar a vida dos que vivem com menos de U$ 2 por dia. Segundo ele, são 3 mil milhões que sofrem devido à crise ambiental e às mudanças climáticas, por isso ele tenta trazer maior atenção para o assunto.

Tecnologia

O troféu Campeões da Terra para a Visão Empreendedora foi dado a Jack Dangernmond do Instituto de Pesquisa de Sistemas Ambientais dos Estados Unidos, por ampliar o acesso à tecnologia geospacial.

O prémio foi partilhado com vice-presidente do Google Earth, Brian McClendon, pela criação da ferramenta com imagens de satélite com aplicações que incluem detetar a desflorestação, classificar a cobertura dos solos e outras.

Imagens de Satélite

Brian McClendon e Achim Steiner. Foto: Pnuma

Como contou, uma das coisas com as quais o Google está a trabalhar é o Earth Engine, uma ferramenta poderosa de avaliação que usa imagens de satélite da floresta tropical brasileira. Como acrescentou, a computação é usada para calcular as mudanças sobre a desflorestação, num projeto tem estado a medir isso no Amazonas e a gerar informação mensal, de forma rápida, porque o Google está a impulsionar o processo de cálculo das mudanças.

Mas, uma mulher levou inspiração e ação à noite.

A voz é da mexicana Martha Isabel Ruiz Corzo. Ela foi premiada, não pela voz mas por ser a responsável pela atribuição do estatuto de Reserva da Biosfera à região de Serra Gorda.

O Pnuma aplaudiu o seu trabalho que resultou na proteção de mais de um terço do estado mexicano de Queretaro. Cerca de 280 mil hectares de terra foram incluídos na gestão de conservação e milhares de famílias da região recebem US$ 2 milhões por ano das vendas de créditos de carbono.

A premiada contou que a causa é a sua emergência e o motivo da sua paixão e compromisso. Ela disse que é importante estar com a Terra, enquanto podemos fazer algo para aliviar o peso social sobre ela.

Martha partilhou o prémio com o italiano Carlo Petrini, que fundou o movimento Slow Food, o trabalho para melhorar a eficiência e sustentabilidade na agricultura e distribuição de alimentos no mundo.

Reconhecimento

A festa encerrou com a titular da pasta do Meio Ambiente do Brasil. Izabella Teixeira foi chamada ao palco em reconhecimento do seu papel-chave na redução do desmatamento na Amazónia, além da atuação internacional na defesa do meio ambiente.

A ministra não se retirou do pódio antes de chamar a modelo e Embaixadora da Boa Vontade do Pnuma, Gisele Bündchen, com quem partilhou a emoção captada pela Rádio ONU.

Passerelles

No evento, Bündchen confirmou que ficará mais sete anos a partilhar as passerelles com a causa a favor da proteção do planeta e das pessoas.

Gisele Bündchen Foto: Pnuma

No cargo de embaixadora da Boa Vontade desde 2009, ela terá até 2020 a missão de chamar a atenção para questões ambientais, como desflorestação, qualidade da água e na transição para a economia verde.

Na noite também foram entregues prémios a menores, na sala dos dinossauros,  de uma competição internacional de desenhos patrocinada pelo Pnuma.

*Reportagem de Eleutério Guevane, Leda Letra, Denise Costa e Ana Carmo.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud