ONU comemora primeiro Dia Internacional da Caridade

5 setembro 2013

Assembleia Geral escolheu 5 de setembro para ressaltar a promoção do diálogo, da solidariedade e do entendimento mútuos; dia também marca o aniversário da morte de Madre Teresa.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

As Nações Unidas assinalam nesta quinta-feira o primeiro Dia Internacional da Caridade. A escolha de 5 de setembro coincide com o aniversário da morte de Madre Teresa de Calcutá.

Em mensagem, o Secretário-Geral destaca que “doações de tempo ou de dinheiro; trabalhos voluntários e atos de bondade sem expetativa de recompensa” ajudam a viver em harmonia e na construção de um futuro pacífico para todos.

Essência

Ban Ki-moon também lembra que a vida e as obras de Madre Teresa, em prol dos mais pobres e vulneráveis, estimularam todo o mundo.

O chefe da ONU diz que muitos doadores afirmam que as suas ações não são atos de caridade, mas sim de “investimento”. Por isso, Ban pede que a caridade seja reconhecida por “aquilo que é no essencial: uma nobre empresa que visa melhorar a condição humana”.

O Secretário-Geral ressalta que o Programa de Voluntários das Nações Unidas e várias agências, como o Unicef, oferecem oportunidades para o envolvimento das pessoas.

Generosidade

Ban lembra que as agências humanitárias da ONU dependem de doações caridosas do público e da generosidade de governos para continuar a salvar vidas quando ocorrem desastres naturais, conflitos armados e outras emergências.

O Dia Internacional da Caridade foi criado por uma resolução da Assembleia Geral com o objetivo de sensibilizar a indivíduos, ONGs e empresas, sobre a importância da ajuda mútua por meio do voluntariado e de atividades filantrópicas.

* Apresentação: Eleutério Guevane