Estudo da FAO mostra benefícios dos programas de merenda escolar
BR

22 agosto 2013

Documento concluiu que projetos de alimentação são importantes para a proteção social, segurança alimentar e nutrição infantil; agência da ONU fez a pesquisa em oito países da América Latina.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

Um estudo feito pelo escritório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, no Brasil, mostrou avanços nos programas de merenda escolar e os vínculos com a agricultura familiar. 

Segundo o documento, os projetos de alimentação, como o da merenda escolar, são importantes para a proteção social, para a segurança alimentar e para a nutrição infantil.

Solução

O diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, afirmou que “essa é uma solução triplamente ganhadora: garante alimentação de qualidade para os estudantes, abre um novo mercado e a possibilidade de maior renda e promove o desenvolvimento local.”

A publicação “Panorama da Alimentação Escolar e Possibilidades de Compra Direta da Agricultura Alimentar” teve como base os dados colhidos em oito países latino-americanos, entre eles, Bolívia, Colômbia, El Salvador e Guatemala.

Incentivo

O estudo diz que os programas incentivam a permanência na escola e maior aprendizagem. Ao mesmo tempo, o consumo de alimentos produzidos pela agricultura familiar fomenta o desenvolvimento econômico.

A área da pesquisa abrange 31 milhões de estudantes matriculados em escolas públicas e particulares e o orçamento anual destinado à merenda escolar nos oito países chega a US$ 900 milhões, o equivalente a R$ 1,8 milhão.

A pesquisa faz parte do projeto de Fortalecimento de Programas de Alimentação Escolar.

Perspectivas

A iniciativa América Latina e Caribe sem Fome 2025 foi implementada pela FAO em parceria com o governo brasileiro.

O boletim trimestral de Segurança Alimentar da agência da ONU mostrou que até junho deste ano, foram registradas perspectivas positivas para toda a região. 

Segundo o levantamento, a América Latina e o Caribe representam a área que mais avançou no mundo no combate à fome.

Em junho, a FAO informou que 12 países da região conseguiram atingir o nível 1 dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em relação à subnutrição. Isso quer dizer, que essas nações cortaram, pela metade, o índice de pessoas que sofrem desse problema.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud