Relatora da ONU sobre água pede mais cooperação de países lusófonos
BR

21 agosto 2013

Catarina Albuquerque acredita que experiências de mais acesso à água e ao saneamento básico devem ser partilhadas no contexto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Experiências de sucesso para fornecimento de água e saneamento básico realizadas nos oito países que falam a língua portuguesa, devem ser melhor partilhadas.

A opinião é da relatora das Nações Unidas para o Direito à Água e ao Saneamento Básico, Catarina de Albuquerque.

Sucesso

Segundo as Nações Unidas, cerca de 800 milhões de pessoas, em todo o mundo, ainda não têm acesso a fontes de água. O tópico está sendo discutido na Conferência Internacional sobre Cooperação pela Água, que ocorre no Tadjiquistão.

Em entrevista à Rádio ONU, de Lisboa, Catarina de Albuquerque disse que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, pode ajudar na partilha de experiências de sucesso que já estão ocorrendo em Portugal, no Brasil e em Moçambique.

“Cada um dos membros da Cplp tem experiências fantásticas, e acho que poderíamos aprender um com os outros. Eu vou dar um exemplo do saneamento condominial, que foi entre aspas inventado no Brasil, que é uma solução de saneamento para comunidades urbanas de fracos recursos. Eu estou a ver esta solução a ser implementada com muita boa chance de sucesso em países africanos de língua oficial portuguesa.”

Parcerias

Ainda segundo as Nações Unidas, cerca de 5 mil crianças, abaixo de cinco anos, morrem todos os dias por falta de água potável, condições sanitárias e higiene básica.

O apelo a todos os países para melhorar o acesso à água e ao saneamento é uma das Metas do Milênio. Apesar de um progresso no acesso à água, o saneamento básico continua sendo um desafio com mais de 2,5 bilhões de pessoas sem serviços de esgoto no mundo.

A Assembleia Geral das Nações Unidas escolheu 2013 como o Ano Internacional de Cooperação da Água para chamar a atenção para o tema.  A organização também destaca a importância de parcerias para resolver o problema.