ONU marca os 68 anos da tragédia em Hiroshima e Nagasaki
BR

6 agosto 2013

Secretário-Geral destaca luta contra a visão errônea de que a segurança é alcançada por meio da busca de domínio e ameaças de aniquilação.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova York.*

As Nações Unidas marcaram esta terça-feira o aniversário de 68 anos do lançamento das bombas atômicas nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. A tragédia causou a morte de milhares de pessoas no fim da Segunda Guerra Mundial. 

No memorial de Hiroshima, uma mensagem do Secretário-Geral da ONU homenageou os mortos e os feridos. A nota foi apresentada pela secretária executiva da Comissão Econômica e Social para a Ásia e o Pacífico, Noeleen Heyzer.

Horrores

Os sobreviventes foram aclamados pelo chefe da ONU, devido às ações de educação do público, “especialmente aos jovens, sobre os horrores da guerra atômica e a importância do desarmamento nuclear.”

Ban destacou a participação de milhares de pessoas em atos para recordar a data, no mundo inteiro.

Desejo

Na Conferência sobre o Desarmamento, em Genebra, uma cerimônia solene foi marcada pelo discurso do embaixador japonês junto à ONU, Mari Amano. Ele disse que, desde 1945, o povo japonês ainda não cessou o desejo de eliminar totalmente as armas nucleares.

Amano disse que embora o número de armas nucleares esteja diminuindo, o Japão não está satisfeito com o ritmo, especialmente por “saber da devastação que pode ser causada por uma única explosão atômica.”

Fronteiras

O diplomata citou o ministro das Relações Exteriores japonês afirmando que, como único país a ter sofrido um bombardeio atômico, é sua missão passar a história sobre o tremendo sofrimento em Hiroshima e Nagasaki para outros países e por gerações.

Em Nova York, o chefe da ONU disse que a organização estava de mãos dadas com a nova geração de cidadãos de Hiroshima que trabalha para construir uma era de mais paz, segurança e justiça para todos.

Domínio

Ban disse que a união está em torno da luta contra a visão errônea de que a segurança é alcançada por meio da busca de domínio e das ameaças de aniquilação militar mútua.

No evento, o  presidente da Assembleia Geral disse que apesar de várias medidas adotadas pela organização, o mundo continua vivendo sob a sombra ameaçadora da aniquilação.

Ameaça

Para Vuk Jeremic, o mundo deve ter atenção na proliferação de armas nucleares, que, segundo ele, constitui uma grave ameaça à paz.

Em Setembro, a ONU vai organizar a primeira reunião de alto nível da Assembleia Geral sobre o desarmamento nuclear. Jeremic espera que o evento seja um passo significativo para cumprir a meta de acabar com as armas atômicas para que jamais se repita o sofrimento de Hiroshima e Nagasaki.

*Apresentação: Edgard Júnior

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud