RD Congo: ONU alarmada com violações de Direitos Humanos

29 julho 2013

Missão da organização adverte para responsabilização de rebeldes do M23 pelo destino de pessoas raptadas ou recrutadas; combatentes fazem três mortas que tentavam fugir de grupo de sequestrados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Missão da ONU na República Democrática do Congo, Monusco, disse que estar muito alarmada com acusações de assassinatos, recrutamento forçado e detenção ilegal de civis pelos rebeldes do M23.

Em nota, são referidos “relatos credíveis”  de recrutamento forçado de 10 pessoas pelo grupo, formado por antigos dissidentes do exército. Três dos integrantes foram mortos pelos combatentes quando tentavam fugir há uma semana, de Kibumba, na província do Kivu Norte.

Respeito

O representante especial adjunto do Secretário-Geral no país, Abdallah Wafy, reiterou o seu apelo ao M23 ao respeito pleno pelos direitos humanos e ao direito internacional humanitário.

Em nota, a Monusco diz condenar as graves violações atribuídas aos membros do grupo rebelde, tendo advertido que este será responsável pelo destino de qualquer vítima de rapto ou de recrutamento.

Crianças

Na sexta-feira, o Fundo da ONU para a Infância revelou que cerca de 2 mil crianças são usadas por grupos armados na província situada no leste da RD Congo.

Mais de 100 mil pessoas, já foram deslocadas com o eclodir dos confrontos, nos últimos dias. A organização fala do agravamento da crise humanitária, com 2,6 milhões de deslocados internos e outros 6,4 milhões de pessoas carentes de alimentos e de ajuda de emergência.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud