Migrantes da Etiópia retornam à casa com a ajuda da OIM

9 julho 2013

Segundo a Organização Internacional para Migrações, 131 etíopes que viviam no Iémen foram voluntariamente repatriados; programa da agência havia sido suspenso em setembro por falta de fundos.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A Organização Internacional para Migrações, OIM, afirmou esta terça-feira que um grupo de 131 migrantes da Etiópia conseguiu retornar a Addis Abeba num voo operado pela agência.

Com o repatriamento dos civis, que viviam no Iémen, subiu para 765 o total de migrantes etíopes que regressaram ao seu país de forma voluntária desde o início de junho.

Falta de Verbas

No mês passado, o programa de retorno voluntário assistido pela OIM no Iémen foi retomado, após ter sido suspenso em setembro por falta de verbas.

Uma contribuição de US$ 260 mil do Fundo de Resposta Humanitária da ONU permitiu à OIM voltar a realizar os voos para cerca de 2,5 mil migrantes vulneráveis.

De Genebra, a especialista sênior da OIM, Ana Fonseca, explicou à Rádio ONU que a agência ainda precisa de mais financiamento.

Países do Golfo

“A situação financeira é realmente muito, muito drástica. Temos tido o apoio das Nações Unidas para assistência do retorno, mas neste momento, de acordo com os cálculos da organização, precisamos de mais US$ 3 milhões para poder ajudar muitos desses migrantes que se encontram nesta situação, inclusivamente crianças não-acompanhadas. Essa é a intenção da maior parte desses migrantes, é continuar em direção a outros países, à Arábia Saudita e países do Golfo, para tentar arranjar trabalho”, disse.

Segundo a OIM, mudanças recentes da lei de emprego saudita e uma cerca na fronteira de 1,8 mil km tornaram a passagem para a Arábia Saudita extremamente difícil.

Indigentes

Estimativas sugerem que 84 mil migrantes etíopes chegaram ao Iémen no ano passado. Destes, 25 mil estão detidos na fronteira com a cidade saudita de Haradh. A maioria é indigente e outros estão doentes ou são vítimas de abusos perpetrados por traficantes e contrabandistas.

A OIM explica que tais migrantes estão desesperados para retornar à Etiópia. Em Haradh, a agência fornece acomodação limitada, comida e assistência médica a 3,5 mil dos mais vulneráveis.

Existe uma necessidade crescente de financiamento para esses retornos voluntários. Ao retornar à Etiópia, os migrantes precisam de assistência para transporte e seu sustento.

Arame Farpado

A OIM também ajudou 52 etíopes a retornar da Somalilândia e da Puntlândia. Na tentativa de cruzar o Golfo do Áden, seis mulheres subiram em cercas de arame farpado e depois, em embarcações que estavam a afundar.

Contrabandistas tentaram tirar vantagem da situação e deixaram as mulheres sem documentos ou dinheiro. Com seus filhos, o grupo procurou abrigo na Puntlândia.

Os casos foram identificados por meio da colaboração entre a OIM e o Alto Comissariado para Refugiados, Acnur. No fim de semana, os migrantes retornaram à Etiópia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud