Perspectiva Global Reportagens Humanas

ONU adverte para impacto regional da tensão no Egito

ONU adverte para impacto regional da tensão no Egito

Organização expressa preocupação com número de denúncias de agressão sexual nos protestos; agências noticiosas informaram que o exército deu ultimato aos partidos rivais para resolver a crise política.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

As Nações Unidas afirmam que o mundo acompanha os acontecimentos no Egito, tendo ressaltado que a forma como o país lida com a transição “terá impacto significativo” para os que passam pelo mesmo processo na região.

Uma nota emitida, esta segunda-feira, pelo porta-voz do Secretário-Geral reitera a todas as partes a cumprir a lei e a respeitar o direito de manifestação pacífica.

Manifestantes

O comunicado faz notar que “tal direito deve ser estendido, particularmente, aos manifestantes do sexo feminino devido às preocupações com o grande número de denúncias de agressão sexual.”

Agências noticiosas informaram que o exército teria dado 48 horas aos partidos rivais para resolver a crise política. Os militares teriam referido que interviriam para a paz, caso o presidente Mohammed Morsi e os seus opositores não conseguissem dar atenção ao que chamam “vontade popular.”

Mortes

A declaração foi feita após a invasão de manifestantes antigovernamentais à sede da Irmandade Muçulmana na capital, Cairo. Estima-se que pelo menos oito pessoas morreram na invasão do edifício, como parte das manifestações a exigir a retirada do líder egípcio.

A ONU diz que “condenação vigorosa” deve ser dada aos atos que incluem  mortes e feridos, agressão sexual a mulheres manifestantes bem como a destruição de propriedade.

Diálogo

A organização considera fundamental que, neste momento, os egípcios encontrem o caminho para resolver as diferenças através de meios democráticos.

A nota reitera que o diálogo pacífico e a não-violência são chaves para restaurar a estabilidade e fazer seguir a  transição do Egito, ressaltando a  responsabilidade dos líderes a todos os níveis de trabalhar de forma construtiva e inclusiva para o bem do país.

O apelo lançado pelas Nações Unidas é que haja tolerância e coexistência pacífica de diferentes fés e crenças, como tem sido tradicional.