Estudo sobre drogas menciona casos de Angola, Cabo Verde e Moçambique

26 junho 2013

Relatório, lançado esta segnda-feira, destaca emergência de África como destino para tráfico  e produção de substâncias ilícitas, Portugal em terceiro lugar na prevalência do uso de tranquilizantes e sedativos.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*  

O Relatório Mundial sobre Drogas de 2013 refere que África emerge como destino para o tráfico e produção de substâncias ilícitas, apesar de dados escassos sobre o continente.

O lançamento do documento do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime, Unodc, foi feito no Dia Internacional contra o Abuso e o Tráfico de Drogas, assinalado nesta quarta-feira.

Dia Internacional

Numa mensagem alusiva à data, o Secretário-Geral, pediu aos governos, aos meios de comunicação e a sociedade civil que façam o possível para alertar para os danos causados pelas drogas.

Ban Ki-moon disse pretender que o alerta sirva também para evitar que haja lucro com o negócio ilegal. 

Tranquilizantes

O documento refere que sete países africanos, incluindo Angola e Cabo Verde relataram a emergência de novas substâncias psicoativas, NSP.

Em Moçambique, a apreensão da erva cannabis subiu de três toneladas em 2010 para 32 toneladas em 2012.

Já Portugal é tido como o terceiro país do mundo com as maiores médias de prevalência do uso de tranquilizantes e sedativos, atrás dos europeus Estónia e da Noruega.

Trânsito

Em todo o mundo, o uso de drogas tradicionais é considerado estável. O Brasil aparece no estudo como ponto de trânsito da cocaína traficada que segue para a África e a Europa.

A agência da ONU acredita que os “laços linguísticos e culturais” com Portugal e países lusófonos africanos têm papel importante, já que a maior parte das remessas de cocaína apreendidas em Portugal eram provenientes do Brasil.

Aumento Alarmante

O Unodc afirma que a erva cannabis continua sendo a substância ilícita mais utilizada no mundo e fala em um “aumento alarmante” de novas substâncias psicoativas, NSP, comercializadas como “drogas lícitas” ou “designer drugs”.

O Unodc está pede  ação para impedir a fabricação, o tráfico e abuso das substâncias, que não passam por testes de segurança, podem ser compradas até na internet e ainda não estão sob controlo internacional.

O documento destaca oaumento em mais de metade nos tipos das substâncias, que ultrapassam as 250.

*Apresentação: Eleutério Guevane.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud