Efeitos da desnutrição têm grande peso na economia da Etiópia, diz PMA

Efeitos da desnutrição têm grande peso na economia da Etiópia, diz PMA

Levantamento do Programa Mundial de Alimentos calcula que o país perde, por ano, 16,5% de seu PIB devido à má nutrição infantil; mais de dois a cada cinco menores etíopes sofre de nanismo.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A Etiópia perde, por ano, 16,5% de seu Produto Interno Bruto, PIB, devido aos efeitos de longo prazo da má nutrição infantil. O levantamento é do Programa Mundial de Alimentos, PMA, e faz parte do estudo “O Custo da Fome em África”.

Segundo a agência, a perda anual associada à desnutrição no país equivale a cerca de US$ 3 milhões. O PMA ressalta que a Etiópia fez progressos na última década para reduzir os índices de fome e desnutrição. Ainda assim, 28% dos casos de mortalidade infantil no país estão associados à falta de nutrição adequada.

Nanismo

O estudo afirma que mais de duas a cada cinco crianças etíopes sofre de nanismo, resultado de baixos nutrientes quando o bebé ainda está no útero ou durante os seus primeiros cinco anos de vida.

O nanismo também está associado a 16% das repetições nas escolas primárias da Etiópia. E as crianças com nanismo atingem 1,1 ano a menos em educação escolar.

Força de Trabalho

Segundo o PMA, 81% dos casos de má nutrição em menores e patologias relacionadas ficam sem tratamento. A mortalidade infantil associada com a desnutrição reduziu a força de trabalho etíope em 8%.

O levantamento confirma ainda que mais de seis a cada dez adultos da Etiópia sofreram de baixo crescimento enquanto crianças. As estatísticas sobre o país foram divulgadas pelo PMA esta terça-feira.

O estudo “O Custo da Fome em África” mede os impactos económicos da má nutrição em 12 países do continente. A Etiópia é a terceira nação a divulgar os dados do levantamento.

*Apresentação: Denise Costa.