ONU diz que número de mortos pelo conflito na Síria subiu para 93 mil BR

ONU diz que número de mortos pelo conflito na Síria subiu para 93 mil

Alta comissária de direitos humanos diz que média de assassinatos, desde julho, é de cinco mil pessoas por mês; maioria é composta de homens, mas combates já mataram pelo menos 8,2 mil crianças.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Um novo estudo das Nações Unidas sobre o conflito na Síria indica que o número de mortos aumentou para cerca de 93 mil.

Mas para a alta comissária de direitos humanos da ONU, Navi Pillay, o número real de mortos pode ser ainda maior.

Crianças

O estudo, divulgado nesta quinta-feira, revela que desde julho passado, os combates entre tropas do governo e rebeldes têm matado uma média de 5 mil pessoas por mês.

Segundo as Nações Unidas, mais de oito em cada 10 mortos são homens, e pelo menos 8,2 mil crianças já teriam perdido a vida nos combates.

Navi Pillay disse que há provas claras sobre casos de tortura e execuções de crianças, além de massacres de bebês.

Áreas Urbanas

Para a alta comissária, os índices extremamente altos de assassinatos, mês após mês, demonstram o padrão de detetioração do conflito no último ano. Pillay lembrou que forças do governo estão bombardeando áreas urbanas, todos os dias, além de usar mísseis e bombas de fragmentação.

Ainda pelo levantamento, as forças de oposição também estão atacando áreas residenciais. O centro da capital Damasco é outro alvo de combates.

Navi Pillay encerrou a nota dizendo que ninguém sai ganhando com o que ela chamou de uma carnificina. As áreas com o número mais alto de vítimas são a parte rural de Damasco com cerca de 18 mil mortos, seguida por Homs, Alepo e Idilib.

Segundo a alta comissária, é hora de acabar com a violência, e os países que têm influência sobre a Síria devem agir para salvar vidas. Ela ressaltou que, infelizmente, nada poderá ser feito mais pelos 93 mil indivíduos mortos no conflito.