Unesco quer investigação do assassinato de jornalista da RD Congo

28 maio 2013

Corpo de Guylain Chanjabo foi encontrado num rio 12 dias após ter desaparecido; Trata-se da primeira morte de um profissional da área registada no país pela agência, em 2013.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Organização da ONU para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, pediu que seja investigado o assassinato de um jornalista de rádio da República Democrática do Congo, RD Congo.

Cerca de 12 dias após o seu desaparecimento, o corpo de Guylain Chanjabo foi encontrado num riocom lesões no pescoço, a 17 de maio. Ele apresentava um programa em língua Swahili no Canal Revelação.

Programas

A Unesco cita a organização Repórteres Sem Fronteiras referindo que o jornalista tinha sido violentamente atacado há seis meses. Pouco antes do seu desaparecimento, a vítima teria sido espancada num bar por um indivíduo não identificado que criticou o teor dos seus programas.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, pediu a investigação do crime, ocorrido a 5 quilómetros da cidade de Bunia na região norte-oriental do país.

Justiça

Após condenar o assassinato, Bokova exortou as autoridades congolesas a a fazerem todos os possíveis para trazer novos dados sobre a morte, tendo apelado que os responsáveis sejam levados à justiça.

O comunicado refere que a liberdade de expressão é um direito irrevogável nas sociedades democráticas, necessária para o Estado de Direito e para que os cidadãos possam tomar parte no debate informado.

Trata-se da primeira morte de um profissional da área registada, este ano no país, e a sexta desde 2006.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud