Unesco condena assassinato de jornalista na RD Congo
BR

27 maio 2013

Diretora-geral da organização pediu ao governo que investigue o caso e julgue os responsáveis; Bokova afirmou que a liberdade de expressão é um direito irrevogável nas sociedades democráticas.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, condenou o assassinato do jornalista Guylain Chanjabo, na República Democrática do Congo.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, pediu ao governo congolês que investigue o caso e julgue os responsáveis pela morte do repórter.

Liberdade de Expressão

Chanjabo apresentava um programa na rádio canal revelation e estava desaparecido desde o início do mês. Seu corpo foi encontrado com marcas no pescoço, no dia 17.

Bokova afirmou que a liberdade de expressão é um direito irrevogável nas sociedades democráticas. Segundo a chefe da Unesco, a liberdade é necessária para o Estado de Direito e para permitir que cidadãos participem de um debate livre e informativo.

Segundo a Ong Repórteres Sem Fronteiras, Chanjabo sofreu um ataque violento há seis meses. Pouco antes de seu desaparecimento, o jornalista foi espancado em um bar, por um homem não identificado, que criticou o conteúdo de seu programa no rádio.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud