Ban pede união dos ruandeses para combater a violência contra a mulher

23 maio 2013

Na visita ao país, iniciada nesta quinta-feira, Secretário-Geral destacou as vantagens de um centro para deter o fenómeno.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon,  pediu união dos ruandeses para a mudança de práticas que promovam, corroborem e perpetuem a violência e os abusos relacionados ao género.

Ao lançar, nesta quinta-feira, a primeira pedra da construção de um centro de combate à violência contra mulheres e meninas, Ban lembrou que as raparigas são a base da sociedade.

Assistência

Num discurso feito no evento, Ban Ki-moon disse que a “iniciativa prova o forte compromisso político dos ruandeses” para combater o problema.

O chefe da ONU lembrou que o governo de Ruanda criou centros para oferecer ajuda jurídica e assistência médica às vítimas e sobreviventes da violência de género.

Cooperação

O país é um dos maiores contribuintes de polícias do sexo feminino para as forças de paz das Nações Unidas. Um dos objetivos do novo centro é aumentar a cooperação com instituições de segurança na África.

Ban disse que mulheres e crianças em todo o mudo têm o direito de viver de forma digna e segura, em paz e guerra, pobreza e riqueza, dentro e fora das suas casas, assim como escolas e locais de trabalho.

Em 2008, a ONU lançou a campanha UNite para pôr fim a todas as formas de violência contra a mulher.

*Apresentação: Eleutério Guevane.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud