Especialista quer liderança global para acabar com corrupção desportiva

18 maio 2013

Diretor do Centro Internacional para a Segurança do Desporto diz que problema é “grande, global e organizado”; Unesco prepara fórum com governos, agências da ONU e mundo desportivo para este mês, em Bona.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O especialista sobre a Corrupção no Desporto, Chris Eaton, disse que há falta de liderança global para facilitar soluções de combate à prática. Ele propõe que o tema seja levado para um debate, que “deve começar nos próprios governos.”

Para o diretor do Centro Internacional para a Segurança do Desporto, mesmo as melhores soluções nacionais e regionais não podem sanar as lacunas e hostilidades que ocorrem na rede desportiva global.

Conferência

As declarações de Eaton foram feitas dias antes da realização da 5ª. Conferência Internacional de Ministros e Altos Funcionários Responsáveis pela Educação Física e Desportos, em Bona. O evento, conhecido como Mineps V,  decorre de 28 a 30 de maio.

O fórum é visto pelo perito como um espaço para atuação da Organização da ONU para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, que “deve aderir e concentrar-se na discussão internacional sobre o tema.”  O outro benfício seria facilitar o desenvolvimento de um mecanismo de proteção internacional.

Talento

Para o especialista, a governação do desporto não evoluiu além do que chama “talento e empenho dedicados à sua comercialização e promoção.”  Eaton aponta a corrupção no desporto como fenómeno “grande, global e organizado.”

Ele compara o mercado desportivo à “corrida do ouro”, com a lei a ser deixada para trás à medida que se segue rumo ao marketing e aos patrocínios, ao mesmo tempo que é exigida maior independência da área.  Durante o  processo, “princípios básicos internacionais de negócios de melhores práticas não são aplicados adequadamente pelos governantes ou competições”, considera.

Coordenação

Entretanto, Eaton destaca exemplos de países como a Austrália por ter um mecanismo que coordena a investigação de casos de corrupção. A Alemanha é referida porque, pela primeira vez, aplicou um mecanismo de resposta ao problema.

Na preparação para acolher os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, e o Mundial de Futebol de 2018, a Rússia foi elogiada por reconhecer o problema, ao mais alto nível, e pela implementação da lei anti-jogo.

Realizado pela primeira vez em 1976, o fórum foi criado pela Unesco para facilitar o intercâmbio intelectual e técnico entre governos, agências das Nações Unidas e representantes do movimento desportivo.

*Com entrevista de Sue Williams, da Unesco.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud