Receios de risco de saúde devido ao vírus da pólio selvagem na Somália

Receios de risco de saúde devido ao vírus da pólio selvagem na Somália

OMS investiga informações preliminares da existência da variante do tipo 1, que pode causar a forma mais grave da doença; recolhidas amostras de menina de 32 meses na região de Benadir, a leste.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, está a investigar informações preliminares da presença do vírus da pólio selvagem do tipo 1 na região costeira de Benadir na Somália.

Em nota, publicada esta terça-feira, em Genebra, a agência disse que se for confirmada a existência do micróbio, iria constituir um risco grave de saúde pública nacional e internacional.

Infeção

O WPV1 é tido como o causador  da poliomielite paralítica em países onde a infeção é generalizada. Trata-se da forma mais grave da doença.

De acordo com a OMS, a 21 de abril, o vírus foi isolado a partir de amostras recolhidas numa menina de 32 meses que sofria de uma paralisia flácida aguda há três dias. A investigação também incluiu protótipos de três pessoas com quem a doente manteve contacto próximo.

Campanha

O estudo lançado em Banadir é o primeiro no país em cinco anos. A OMS deu conta do início, nesta terça-feira, de uma campanha de vacinação oral contra a poliomielite a decorrer até quinta-feira.

O objetivo é alcançar mais de 350 mil crianças da região menores de cinco anos na iniciativa que deverá ser seguida por uma série de atividades, incluindo campanhas em todo o país.

Em várias áreas do centro e do sul da Somália não são realizadas campanhas de vacinação há quatro anos, refere a agência das Nações Unidas.