Pioram as condições humanitárias em região da RD Congo

Pioram as condições humanitárias em região da RD Congo

Programa Mundial de Alimentação alerta para aumento de ataques, pilhagens e estupros na zona entre Pweto, Mitwaba e Manono; mais de 200 mil deixaram as suas casas desde Abril.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Programa Mundial de Alimentação, PMA, está a fazer um alerta sobre a insegurança na região conhecida como “Triângulo da Morte” na República Democrática do Congo. A área compreende as cidades de Pweto, Mitwaba e Manono, na província de Katanga.

A porta-voz da agência da ONU, Elisabeth Byrs, afirma que o agravamento das condições humanitárias e os ataques contínuos dos rebeldes Mai Mai forçaram mais de 200 mil pessoas a deixarem suas casas desde abril.

Fuga

Segundo a representante do PMA, os ataques de grupos armados, com constantes “saques e estupros”, obrigaram várias famílias fugir em direção ao mato.

Na sequência, os deslocados procuraram abrigo nas três cidades, onde a agência presta assistência alimentar e humanitária. Atualmente, 354 mil pessoas são deslocadas internas na província de Katanga, afirma a ONU.

Entrega de Comida

Apesar da insegurança e das condições pobres das rodovias, o PMA já alcançou, num ano, 250 mil pessoas do “Triângulo da Morte”, com porções alimentares para um mês.

Em Maniema, 42% das casas enfrentam altos índices de insegurança alimentar, devido a falta de infraestrutura, baixa produção agrícola e violência das províncias vizinhas Kivu Norte e Sul. Além disso, o isolamento da região está a afetar de forma negativa o preço e o acesso das famílias aos alimentos.

O PMA afirma que está a apoiar mais de 3 milhões de beneficiários na RD Congo e precisa de quase US$ 29 milhões para prosseguir com suas operações no país pelos próximos seis meses.

*Apresentação: Eleutério Guevane.