Estudo publicado pela OMS cita medidas do Brasil contra gordura trans BR

Estudo publicado pela OMS cita medidas do Brasil contra gordura trans

Pesquisadores da Universidade de Sidney, na Austrália, avaliaram políticas de sete países para remover esse tipo de gordura dos alimentos; redução no consumo é importante para prevenir uma série de doenças.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

O boletim da Organização Mundial da Saúde, OMS, traz na edição de abril um estudo sobre a eficácia de medidas contra a gordura trans nos alimentos.  Pesquisadores da Universidade de Sidney, na Austrália, avaliaram políticas de sete países, incluindo Brasil, Canadá e Estados Unidos.

O resultado foi que nos últimos 20 anos, as ações foram eficazes e os fabricantes diminuíram a quantidade dessa gordura nos produtos.

Margarina

O estudo destaca a importância de indicar a presença dessa gordura nos rótulos de embalagens. Segundo os pesquisadores, em países onde a conscientização sobre gordura trans é baixa, as chances da indústria reformular seus produtos é menor.

No Brasil, o nível de gordura trans de algumas margarinas foi mantido em mais de 50% mesmo após regulamentação. Os autores do estudo acreditam que os consumidores deveriam estar pouco conscientes sobre a mudança. Mas o país ganha destaque por ter políticas nacionais que obrigam os fabricantes a informar a porcentagem de gordura trans nas embalagens.

O consumo de alimentos com gordura trans está associado a maiores riscos de doenças do coração, colesterol alto, diabetes, infertilidade e até Alzheimer.