União Europeia une-se ao Unicef para combater malnutrição em Angola

7 março 2013

Bloco anunciou desembolso de mais de € 2 milhões ao Fundo das Nações Unidas para a Infância para reforçar as iniciativas do Governo de Angola em resposta à situação.

Herculano Coroado, de Luanda para a Rádio ONU.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, informou ter recebido uma ajuda da União Europeia para combater a malnutrição infantil em Angola.

De acordo com um comunicado de imprensa do Unicef, divulgado em Luanda, a iniciativa enquadra-se num programa de € 15 milhões da UE para atender às necessidades humanitárias na África Austral.

Municípios

A comissária europeia para a Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e Resposta às Crises, Kristalina Georgieva, disse que a parceria com o Unicef irá servir para combater a malnutrição dos municípios mais afetados pela seca em 2012 com a participação ativa da sociedade civil no terreno.

Angola está entre os quatro países na África Austral, onde mais 6 milhões de pessoas enfrentam o risco de malnutrição, doenças e escassez de alimentos, de acordo com o mais recente alerta da Federação da Cruz Vermelha Internacional e do Crescente Vermelho.

Em Angola a escassez afeta 1,8 milhão de pessoas. Ao lado do Zimbabué e do Lesoto, o país lusófono via a resposta à assistência de emergência perigosamente baixa.

Campanhas

O Unicef diz que vai usar estes fundos para a prevenção e o rastreio da malnutrição infantil no seio das famílias, para comprar alimentos terapêuticos, bem como realizar formações e campanhas de sensibilização, tal como definido pela estratégia do governo para o combate à malnutrição de crianças menores de cinco anos de idade.

Desde o ano passado, cerca de 145 mil crianças foram triadas e o tratamento adequado, seja a nível comunitário como nas unidades de nutrição, tem sido aplicado.

As quatro províncias angolanas mais atingidas pela seca, Bié, Huambo, Kuanza-Sul e Zaire, puderam ainda beneficiar de mais de 2000 mobilizadores sociais comunitários formados, 48 novas unidades especiais de nutrição e 247 centros de nutrição, estabelecidos recentemente.

Ameaça

Segundo Koenraad Vanormelingen, representante do Unicef, em Angola, “o apoio da União Europeia contribui para acelerar as ações já em curso do governo e de seus parceiros com o objetivo de dar melhores chances de saúde às crianças angolanas.”

A malnutrição afeta profundamente o desenvolvimento cognitivo e intelectual da criança, e representa uma ameaça para as gerações futuras do país africano.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud