Angola entre os mais afetados pela crise alimentar na África Austral

4 março 2013

Problema afeta 1,8 milhão de pessoas; Cruz vermelhs incica que lista de nações afetadas pela escassez inclui o Zimbábue, o Lesoto e o Malaui.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Angola tem mais de 1,8 milhão de afetados pela escassez alimentar referiram, esta segunda-feira, as organizações Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

O problema afeta mais de 6 milhões de pessoas no  Zimbábue, no Lesoto e no Malaui, que estão perante um risco iminente de registar doenças como a má nutrição.

Secas e Cheias

Em comunicado, a Cruz Vermelha afirmou que o tema não está sendo ilustrado pela media global. As causas da crise seriam os ciclos constantes de seca e cheias na regiana africana.

No Malaui, o número de pessoas em risco é de 2 milhões, 400 mil a mais que nas áreas rurais do Zimbábue. As taxas de má nutrição infantil, na região, também estão a aumentar, com relatos de uma escalada de 50%,  comparativamente  aos níveis do ano passado.

Plantações

Nos quatro países, já foram lançados apelos de emergência, mas a resposta, especialmente para Zimbábue, Lesoto e Angola continua baixa.

O representante regional para a África Austral, Alexander Matheou, apontou a  crise crónica com um ciclo de chuvas que destroem plantações inteiras, além da pecuária e da estrutura de água potável.

Vírus HIV

Doenças como a malária, a diarreia e a cólera são comuns devido às precárias condições.  Para a Cruz Vermelha, governos, empresas e agências humanitárias precisam coordenar o gestão da crise em grande escala.

A África Austral regista o maior número pessoas vivendo com com o vírus HIV. Em 2009, 34% dos seropositivos viviam em 10 países da região.

Lesoto, Malaui e Zimbábue, por exemplo, têm uma prevalência maior que 10%. De acordo com a Cruz Vermelha, a falta de alimentos pode, seriamente, minar os esforços para conter o HIV. Especialistas referem que quando tomados com estômago vazio, os antirretrovirais produzem mal-estar e sensações de vómito.

Compra de Alimentos

Para evitar o problema, muitos deixam de tomar o coquetel em caso de estarem passando fome.

Uma outra questão, de acordo com a Cruz Vermelha, é o aumento de meninas e mulheres na prostituição. Muitas aceitaram trabalhar em casa de famílias para comprar alimentos, e acabaram forçadas a envolver-se no trabalho escravo ou na prostituição.

*Apresentação: Eleutério Guevane.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud