Relator pede redistribuição de papeis de género para segurança alimentar

4 março 2013

Perito sobre Direito à Alimentação  defende que partilha de poder com as mulheres pode acelerar resultados; estudo aponta que as mulheres foram responsáveis por mais de metade do sucesso da redução da fome entre 1970 e 1995.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O relator especial da ONU sobre o Direito à Alimentação, Olivier de Schutter, pediu estratégias de segurança alimentar que abordem as restrições culturais e a redistribuição de papeis entre mulheres e homens.

O representante recomendou aos governos que seja dada maior autonomia à mulher, no relatório sobre Género e Direito à Alimentação. O documento foi apresentado, esta segunda-feira, no Conselho de Direitos Humanos em Genebra.

Partilha de Poder

O informe refere que a partilha de poder com as mulheres pode acelerar a  redução da fome e a desnutrição, além de ser o passo mais eficaz para a realizar o direito à alimentação.

A Rádio ONU entrevistou a responsável do Setor de Género, Equidade e Trabalho Rural da Organização da ONU para Agricultura e Alimentação, FAO, antes da apresentação do informe. Falando em Nova Iorque, Eve Crowley citou ações governamentais para promover a autonomia feminina nas sociedades, como parte da agenda de desenvolvimento pós-2015.

Proteção Social

“Há trabalhos periódicos , mas precisamos buscar formas de garantir que haja alimentos de forma permanente todo o ano. A Índia tem exemplos muito interessante de trabalhos públicos criados, sazonalmente, para favorecer os mais pobres, como exemplo interessante de base de proteção social.”

No relatório apresentado em Genebra, o relator avançou como medida imediata a remoção de todas as leis e práticas discriminatórias que impedem as mulheres que tenham acesso a recursos agrícolas como a terra, insumos e crédito.

Redução da Fome

O relator citou dados referindo que entre 1970 e1995,  cerca de 55% dos resultados da redução da fome podem ser atribuídos à melhoria da situação das mulheres na sociedade.

Mas, segundo referiu, a  agricultura familiar tornou-se gradualmente feminizada, com um afastamento gradual dos homens dos campos em busca de empregos.

Campos Agrícolas

O facto tem agravado a sobrecarga  das mulheres em campos e nas  famílias, sendo negado a estas as “ferramentas para prosperar e melhorar a sua situação  dentro e fora dos campos agrícolas.”

O especialista da ONU saudou iniciativas políticas para capacitar as mulheres, como cotas para mulheres em obras no setor público na Índia, mas alertou para continuação das barreiras à participação feminina.

De Schutter disse tarefas como a busca de água, cuidar de jovens e de idosos, tribuídas à mulher custam cerca de 15% do Produto Interno Bruto, PIB, dos países de renda média. Nos países de baixa renda a fasquia é maior que um terço.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud