ONU condena série de ataques mortais deste mês na Somália

ONU condena série de ataques mortais deste mês na Somália

Organização lamenta assassinato do líder islâmico e estudioso, Farah Nur na Puntlândia; representante pede que não haja recuo nos progressos alcançados recentemente.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Escritório Político da ONU para a Somália, Unpos, condenou o assassinato do líder islâmico e estudioso somali, Sheikh Abdiqadir Ga'amey Farah Nur.

De acordo com agências noticiosas, o assassinato ocorreu em Garowe na região da Puntlândia, na última sexta-feira. As informações das agências referem que dois suspeitos pelo ato teriam sido encontrados após uma perseguição levada a cabo por dois jovens.

Ataques

Em comunicado, o representante especial do Secretário-Geral para a Somália, Augustine Mahiga, refere-se, igualmente a uma série de ataques terroristas ocorridos na primeira quinzena deste mês.

Além do assassinato do Farah Nur, Mahiga faz menção a um ataque suicida ocorrido na cidade de Galkayo, no centro do país, e a vários outros que abalaram regiões do centro-sul da Somália.

Progressos

O representante endereçou condolências às famílias enlutadas e rápidas melhoras aos feridos. Na nota, os somalis são chamados a reforçar a sua determinação em resistir ao terrorismo.

O apelo foi lançado, igualmente, com vista à cooperação com as autoridades para que os responsáveis à justiça. Mahiga sublinhou que os atos não podem deter os progressos alcançados nos últimos 10 meses.

Transição

Durante o período o país adotou a nova Constituição Provisória, além de ter estabelecido o novo parlamento e nomeado um primeiro-ministro.

O ano passado marcou o culminar do processo de reconciliação, após nove anos de transição que se seguiram a três décadas sem um governo funcional no país do Corno de África.