Comissão diz que assentamentos israelenses violam direitos dos palestinos BR

Comissão diz que assentamentos israelenses violam direitos dos palestinos

Documento foi preparado por uma missão de investigação do Conselho dos Direitos Humanos; investigadores independentes disseram que violações estão interrelacionadas.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A comissão de investigação do Conselho de Direitos Humanos da ONU pediu que Israel suspenda as atividades de construção de assentamentos. O painel quer que o governo israelense se responsabilize pelas violações dos direitos humanos dos palestinos, resultantes desses assentamentos.

O relatório foi preparado por uma missão internacional independente de investigação dos assentamentos israelenses nos territórios palestinos ocupados.

O documento afirma que muitos direitos humanos dos palestinos são violados de diversas formas por causa da existência dessas áreas.

Ban

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, divulgou nota sobre o relatório. Ele disse que a missão de investigação é independente e as conclusões serão analisadas pelos Estados-membros no mês que vem.

Sobre os assentamentos israelenses, Ban disse que sua visão sobre o assunto é clara há muito tempo.

Segundo o Secretário-Geral, todas as atividades de assentamentos israelenses nos territórios palestinos ocupados são ilegais perante a lei internacional. Eles também vão contra às obrigações de Israel de acordo com o mapa da paz.

Violações

O Conselho de Direitos Humanos enviou a missão, em março do ano passado, para investigar as implicações dos assentamentos israelenses nos direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais dos palestinos nos territórios ocupados, que incluem o leste de Jerusalém.

As investigadoras disseram que essas violações estão todas interrelacionadas e fazem parte de um padrão de falhas caracterizadas, principalmente, pela negativa do direito de autodeterminação e da discriminação sistemática contra o povo palestino, que segundo a missão, ocorre diariamente.

O relatório diz ainda que desde 1967, os governos israelenses lideraram abertamente, participaram de forma direta e tiveram controle total do planejamento, da construção e do desenvolvimento dos assentamentos.

Missão

A presidente da missão de investigação do Conselho de Direitos Humanos, representante da França, Christine Chanet, afirmou que Israel deve, em conformidade com o artigo 49 da IV Convenção de Genebra, suspender todos as atividades de assentamentos sem pré-condições.

Outra investigadora da missão, o representante do Paquistão, Asma Jahangir, também pediu ao governo israelense que assuma a responsabilidade por todas as violações, coloque um ponto final na política de impunidade e garanta justiça para todos.

A representante de Botsuana, Unity Dow, afirmou que a magnitude das violações relacionadas a desapropriações, despejos, demolições e deslocamentos da região mostram a amplitude dos problemas.

Segundo Dow, a motivação por trás da violência e da intimidação contra os palestinos e suas propriedades é levar a saída da população local para que os assentamentos possam expandir.

Conclusões

O relatório afirmou que os assentamentos são estabelecidos e desenvolvidos para o benefício exclusivo dos israelenses.

As investigadoras disseram que as áreas são mantidas e avançam num sistema de segregação total entre os colonos e o resto da população que vive nessas áreas.

O documento continua dizendo que o sistema de segregação é apoiado e facilitado por uma força militar e um controle estrito da lei em detrimento dos direitos palestinos.

Nas conclusões finais, as investigadoras afirmaram que Israel deve iniciar imediatamente o processo de retirada de todos os colonos dos territórios palestinos ocupados.

Elas pediram também ao governo israelense que forneça assistência a todos os palestinos vítimas das violações dos direitos humanos.

O relatório vai ser apresentado formalmente ao Conselho dos Direitos Humanos no dia 18 de Março.