Perspectiva Global Reportagens Humanas

Relatores da ONU apelam ao Irã para anular execuções de ativistas BR

Relatores da ONU apelam ao Irã para anular execuções de ativistas

Os cinco acusados pertencem a uma minoria árabe e foram sentenciados à pena de morte por corrupção, propaganda e hostilidade a Deus; especialistas em direitos humanos dizem que decisão é inaceitável.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

Um grupo de relatores independentes das Nações Unidas apelou ao Irã para cancelar a execução de cinco ativistas que pertencem à minoria árabe Ahwazi e que foram sentenciados à pena de morte por “corrupção, propaganda e hostilidade contra Deus”.

Mohammad Ali Amouri, Sayed Jaber Alboshoka, Sayed Mokhtar Alboshoka, Hashem Shabain Amouri and Hadi Rashidi são fundadores do Al-Hiwar, um instituto científico e cultural. Eles foram presos em suas casas em 2011 e as sentenças foram confirmadas, recentemente, pela Suprema Corte iraniana.

Tortura

Para o relator especial da ONU sobre Direitos Humanos no Irã, Ahmed Shaheed, é “absolutamente inaceitável que indivíduos sejam presos e condenados à morte pela liberdade de associação e opinião”.

Já o relator para execuções sumárias ou arbitrárias, Christof Heyns, afirmou que “pela lei internacional, a pena de morte só pode ser implementada em casos específicos, como crimes muito sérios e após julgamento adequado”.

O relator especial das Nações Unidas sobre tortura, Juan Méndez, expressou “grave preocupação com as alegações de que os ativistas foram sujeitos à tortura e a tratamentos de choque na prisão”, além da possibilidade de terem sido forçados a assinar suas confissões.

Grupos Minoritários

Para a especialista independente da ONU sobre minorias, há uma preocupação com o “número de casos de indivíduos desses grupos que são penalizados por atividades ligadas a seus direitos”. Rita Izsák apelou ao governo do Irã que reveja a decisão judicial e anule as execuções dos ativistas.

Relatores independentes são nomeados pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para analisar e relatar a situação de um país, dentro de um tema específico de direitos humanos. Esses especialistas não são funcionários das Nações Unidas e não são pagos pelo seu trabalho.