Mais de 107 mil refugiados atravessaram o Golfo de Áden no ano passado
BR

15 janeiro 2013

Segundo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, maioria era da Etiópia.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A ONU informou que o número de refugiados e migrantes que atravessaram o Golfo de Áden em direção ao Iêmen bateu recorde em 2012. De acordo com analistas, a maioria foge à procura de segurança.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, 107,5 mil pessoas deixaram os países da região do Chifre da África. O recorde anterior tinha sido registrado no ano retrasado, quando 103 mil pessoas fizeram o mesmo percurso pelo mar.

Problemas Econômicos

O Acnur disse que a maioria das pessoas que chegaram ao Iêmen era da Etiópia, aproximadamente 80%. O restante veio da Somália. Muitos dos migrantes usam o Iêmen como ponto de entrada para outros países do Golfo Pérsico.

Apesar dos problemas econômicos e de segurança, o Iêmen continua recebendo um grande número de refugiados em busca não só de proteção e segurança, mas também de melhores condições econômicas.

Refugiados

O Acnur informou que os somalis, que chegam ao Iêmen, são reconhecidos imediatamente como refugiados pelas autoridades locais.

Segundo a agência da ONU, a travessia em barcos é perigosa. Pelo menos, 100 pessoas morreram ou desapareceram em acidentes ou naufrágios no Golfo de Áden e no Mar Vermelho em 2012.

Perigo

Os novos refugiados sofrem ainda com o perigo da violência, da exploração e dos abusos sexuais. A situação é mais grave na região do Mar Vermelho, dominada por traficantes e contrabandistas.

Atualmente, o Iêmen abriga 236 mil refugiados. O Acnur cita também que 300 mil iemenitas estão desalojados por causa dos conflitos no norte do país desde 2004.