Entrevista: Ramos Horta - Parte 2

10 janeiro 2013

O recém-eleito representante do Secretário-Geral para a Guiné-Bissau fala do papel das Nações Unidas perante os desafios de estabilização do país.

Nesta segunda parte da entrevista à Rádio ONU, de Lisboa, Ramos Horta refere-se às decisões tomadas pelo Conselho de Segurança perante o impasse  na sequência do golpe de Estado de 12 de Abril do ano passado.

A conversa discute a estabilização e o papel de organizações como a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, Cedeao além da União Africana.

Horta reafirma a convicção de apoiar a necessidade de reforma das forças armadas guineenses, o poder institucional e a transparência. Para o representante, “as Nações Unidas só podem agir caso os líderes do país e regionais assim o entenderem.”

O desempenho do Brasil na liderança da Estratégia de Consolidação da Paz da Guiné-Bissau Horta considera essenciais atributos como a “cooperação com África, a proximidade e a posição geoestratégica.”

Tempo total: 7’ 27”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud