Ciência e Tecnologia com menos mulheres, diz OIT

Ciência e Tecnologia com menos mulheres, diz OIT

A Organização Internacional do Trabalho revela que as causas são a discriminação e o comportamento das sociedades; mulheres participam mais nas áreas de ciências humanas e sociais

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Um estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho, OIT, mostra que as mulheres estão a ficar para trás nas áreas de ciência e tecnologia devido á cultura das sociedades e discriminação.

Claude Akpokavie, representante do departamento que dirige as actividades dos trabalhadores da OIT, disse que as mulheres têm uma participação maior nas áreas de ciências humanas e sociais e pouca actividade nos sectores de ciências e tecnologia.

Medidas

O representante da agência afirmou que as autoridades devem tomar medidas para combater o desequilíbrio.

Akpokavie compôs um manual que avalia o progresso alcançado até ao momento para se atingir as Metas de Desenvolvimento do Milênio, incluindo a igualdade de gênero e a autoridade das mulheres.

Sociedades

Segundo a diretora da divisão de igualdade de gênero da OIT, Jane Hodges, o fator diferencial entre homens e mulheres deve-se sobretudo ao vasto papel que os dois representam e as atitudes em sociedades diferentes.

De acordo com Hodges, as raparigas são menos incentivadas a estudar engenharia ou informática em comparação aos rapazes. Elas são orientadas para estudos considerados “mais leves”. Segundo a diretora, isto acontece, tanto em países desenvolvidos como também, nos menos desenvolvidos.

Oportunidades

Jane Hodges chamou à atenção sobre o estereótipo de que as raparigas não se interessam ou não são capazes nas áreas como matemática e ciências.

A representante afirmou que isso, necessariamente, diminui o acesso das mulheres a empregos com bons salários ou mercados de trabalho que oferecem melhores oportunidades.

Trabalho

Estima-se que 500 milhões de pessoas entrem no mercado mundial de trabalho na próxima década. Por esse motivo, Hodges diz ser fundamental que as mulheres que exercem empregos nas áreas de tecnologia e ciências, não fiquem sentenciadas aos níveis menores da escala.

A diretora da OIT afirmou que educação, formação e mudança de atitude são cruciais para garantir que as mulheres não fiquem para trás.

*Apresentação: Denise Costa