Novo enviado da ONU à Guiné-Bissau diz que papel do Brasil é importante BR

Novo enviado da ONU à Guiné-Bissau diz que papel do Brasil é importante

José Ramos Horta, que deve assumir o posto no próximo dia 31, disse que a História comum entre o país e o continente africano fortalece relação de cooperação.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.   

“A África pode contar com o Brasil”. A afirmação foi feita pelo novo representante especial do Secretário-Geral da ONU na Guiné-Bissau, José Ramos Horta, que deve assumir o  posto no fim deste mês.

Em entrevista à Rádio ONU, ao ser perguntado pela contribuição brasileira ao processo de consolidação da paz para a Guiné-Bissau, Ramos Horta disse que o Brasil tem um papel importante no país africano.

Riqueza

“O Brasil tem enorme credibilidade. Além disso, tem hoje poderio econômico. Há muita sensibilidade no Brasil para cooperação com África. Por um lado, dada a proximidade do Brasil com África, dada à história da escravatura. Esta história, esta consanguinidade aproximam muito o Brasil da África. E a África sabe que pode sempre contar com o Brasil. E dada, portanto, toda esta complexidade, riqueza de relação África-Brasil, Brasil-África, o papel do Brasil é incontornável. É extremamente importante.”

José Ramos Horta, ex-presidente do Timor-Leste, deve chegar a Bissau no início de fevereiro. Ele irá comandar o Escritório Integrado para Consolidação da Paz no país africano, que vive um regime de governo de transição desde o golpe militar de 12 de abril.

Ramos Horta que é ganhador do Prêmio Nobel da Paz leva à Guiné-Bissau mais de 30 anos de experiência política incluindo negociação de conflitos.