Banco Mundial destaca alto nível de dívida externa dos países de alta renda

28 dezembro 2012

Ao analisar o desempenho em 2011, Estatísticas da Dívida Internacional  do Banco Mundial atribuem o fenómeno à   contração nos fluxos dos credores oficiais em mais de metade.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Banco Mundial registou uma queda das entradas líquidas da dívida externa dos países em desenvolvimento em 2011. O período foi marcado por uma queda de 9%, o equivalente a US$ 465 mil milhões.

As Estatísticas da Dívida Internacional 2013, atribuem o fenómeno à forte contração nos fluxos dos credores oficiais, que caiu para US$ 30 mil milhões dos US$ 73 mil milhões registados no ano anterior.

Bancos Comerciais

O estudo refere que a desaceleração foi parcialmente compensada pelo influxo de bancos comerciais, que sustentaram o acesso aos mercados internacionais de obrigações e o aumento do investimento direto estrangeiro.

O órgão refere que, em média,  os países do grupo das nações mais desenvolvidas do mundo, G7, tiveram uma dívida pública de 126% em relação ao seu produto Interno Bruto, PIB. Os dez maiores países em desenvolvimento registaram 19%.

Zona Euro

A dívida externa e interna dos países da zona euro mais do que duplicou o rácio dos maiores devedores dos países em desenvolvimento.

De acordo com o Banco Mundial, no mesmo período, os financiamentos de médio e longo prazo dos bancos comerciais triplicaram para US$ 110 mil milhões.

As estatísticas revelam, igualmente, que durante o período, o investimento directo estrangeiro continuou numa trajetória ascendente, com aumento de 11% para um recorde de US$ 644 mil milhões.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud