Reduzem mortes relacionadas à Sida na África Subsaariana, diz relatório

30 novembro 2012

Programa da ONU sobre o HIV/Sida quer mais pessoas  tratadas com antirretrovirais em Angola;  relatório coloca África como a região mais afetada pelo vírus que pode provocar a Sida.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A África Subsaariana reduziu as mortes relacionadas à Sida em um terço nos últimos seis anos, revela um relatório do Programa da ONU sobre o HIV/Sida, Onusida.

O documento, lançado nas vésperas do Dia de Luta contra a Sida, assinalado a 1 de Dezembro, aponta para o aumento de pessoas em tratamento antirretroviral em 59% nos últimos dois anos.

Angola

Angola está entre os países que, segundo a agência,  deve melhorar as taxas relacionadas à prevenção da transmissão vertical, conhecido por PTV, além do tratamento antirretroviral.

Falando à Rádio ONU, de Luanda, a chefe do Programa de HIV no Fundo da ONU para a Infância, Unicef,  Karoline  Fonck, abordou o envolvimento de pessoas vivendo com o vírus para melhorar a prestação de técnicos.

“Temos uma experiência inovadora em Angola. Em formações que fazemos sobre PTV, envolvemos pessoas com o vírus mesmo como apoiantes. Vemos que é um bom método para diminuir muito mais a estigmatização e, a começar com os profissionais da área de saúde.”

O Onusida coloca o país no grupo de nações com baixa taxa de cobertura da prevenção da transmissão da mãe para o bebé, estimada em cerca de 16%. Por outro lado, a cobertura de tratamento antirretroviral situa-se em cerca de 33% em adultos e 10% em crianças.

Tratamento

Em todo o mundo, o acesso à terapia antirretroviral aumentou em 63% nos últimos anos. Entre 2005 e 2011, as mortes relacionadas com a Sida baixaram em mais de um quarto, em todo mundo.

África é tida como a a região mais afetada pelo HIV. O relatório demonstra ainda que uma redução de mais de metade na taxa de novas infeções  alcançada em 25 países de renda baixa e média.

No continente africano, as reduções drásticas desde 2001 ocorreram no Malawi com 73%, no Botsuana com 71% e na Namíbia com 68%. Até 2011, 34 milhões de pessoas viviam  com o vírus em todo o mundo.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud