Brasil diz que mecanismo de desenvolvimento limpo é eficaz para combater aquecimento global
BR

28 novembro 2012

Embaixador André Corrêa do Lago afirmou em Doha, no Catar, que 5 mil projetos aprovados pela mecanismo, ou CDM na sigla em inglês, reduziram em mais de 1 bilhão de toneladas as emissões de dióxido de carbono.

 

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.*

A Conferência da ONU sobre Mudança Climática, COP 18, em Doha, tem como uma das metas principais discutir a urgência para combater o aquecimento global.

O embaixador André Corrêa do Lago, que chefia a missão brasileira, afirmou que o mecanismo de desenvolvimento limpo, CDM, na sigla em inglês, é um “instrumento brilhante” para reduzir as emissões de dióxido de carbono.

Projetos

Segundo o embaixador, os países têm muitas coisas para corrigir mas devem manter viva a estrutura para que isso possa acontecer.

Falando em inglês, Corrêa do Lago afirmou que cerca de 5 mil projetos ambientais aprovados pelo CDM foram responsáveis pela redução de mais de 1 bilhão de toneladas equivalentes de emissões de dióxido de carbono.

O embaixador afirmou ainda que as negociações estão muito difíceis e que o Brasil está alinhado às posições do G77 + China. O grupo representa os interesses dos países em desenvolvimento.

Além do Brasil e da China, fazem parte também África do Sul e Índia. Eles argumentam que os países desenvolvidos devem se comprometer a uma redução maior das emissões de carbono.

Temperatura

A secretária-executiva da Convenção, Christiana Figueres, comentou a urgência de evitar que a temperatura do planeta aumente mais de 2 graus Celsius até o final do século.

Entre os objetivos da COP 18, que termina em 7 de dezembro, está a prorrogação do Protocolo de Quioto, que expira no fim do ano.

*Apresentação: Leda Letra.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud