Economias africanas crescem mas carecem de comércio interno, diz ONU

20 novembro 2012

No Dia da Industrialização da África, assinalado neste 20 de Novembro, destaque é dado às trocas no continente para a redução da pobreza.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova Iorque.*    

As economias africanas estão entre as que mais crescem no mundo, aponta o Secretário-Geral da ONU.

Em mensagem para marcar o Dia da Industrialização da África, esta quarta-feira, Ban Ki-moon indica que o comércio regional interno responde a apenas 10% do comércio geral do continente, significativamente menor se comparado a outros continentes.

Objetivos

O crescimento sustentável e equitativo é tido como fundamental para se alcançar os objetivos do Milénio e as metas socioeconómicas da Nova Parceria para Desenvolvimento da África, Nepad.

Este ano, o destaque é dado à importância do comércio interno no continente para reduzir a pobreza, aumentar a segurança alimentar e de nutrição e apoiar o desenvolvimento sustentável.

Expansão

Entre os desafios impedem a expansão do comércio estão a infraestrutura obsoleta, a baixa capacidade de produção, os limitados financiamentos para investimentos e os altos custos de negócios.

Para a  ONU, a eliminação desses obstáculos é um pré-requisito para atingir todo o potencial económico da África.

Processamento

Ban refere que a industrialização pode ajudar a expandir o comércio regional africano ao dar apoio a uma economia mais diversificada, especialmente, no desenvolvimento das indústrias rurais e de processamento de alimentos.

O Secretário-Geral recomenda o melhoramento da infraestrutura nos setores de transporte, comunicação e de energia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud