Falta de saneamento mata 7,5 mil pessoas por dia, afirma relatora da ONU BR

Falta de saneamento mata 7,5 mil pessoas por dia, afirma relatora da ONU

Relatora Catarina de Albuquerque destaca que maioria é composta de crianças com menos de cinco anos de idade; alerta coincide com o Dia Mundial do Toalete, nesta segunda-feira.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

As Nações Unidas marcam nesta segunda-feira o Dia Mundial do Toalete, observando que uma em cada três pessoas não tem acesso adequado a instalações sanitárias.

Segundo a relatora especial da ONU para o Direito à Água e Saneamento, todos os dias, 7,5 mil pessoas morrem com a falta de saneamento, sendo que 5 mil são crianças menores de cinco anos de idade.

Desafio

Catarina de Albuquerque destaca que o acesso adequado ao saneamento não deve ser cumprido até 2015, quando expira o prazo para as Metas de Desenvolvimento do Milênio.

A relatora da ONU ressalta ainda que outro desafio crítico é o fato de mais de 1 bilhão de pessoas ainda fazerem suas necessidades a ceu aberto. Catarina de Albuquerque sugere a todos que imaginem suas vidas sem toalete e as dificuldades que isso causaria, especialmente para mulheres.

A relatora lembra que pessoas sem acesso a banheiros vivem em condições de extrema pobreza, estão marginalizadas e correm riscos de ficarem doentes e por isso, longe do trabalho e da escola.

Catarina de Albuquerque alerta para o fato dos toaletes serem essenciais para o bem-estar e o direito de todo ser humano, sendo fundamental para o direito à saúde e a uma vida digna.