Apontados desafios para lidar com o tráfico humano nas Filipinas

13 novembro 2012

Após visita em cinco dias ao país, relator especial sobre o tema fala de causas como aumento da pobreza, o desemprego nos jovens, as desigualdades de género.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A relatora especial sobre o Tráfico Humano, Joy Ngozi Ezeilo,  alertou esta terça-feira ao governo filipino para uma série de desafios com vista ao sucesso na luta contra o fenómeno e a proteção dos direitos humanos das vítimas.

Em nota, publicada em Genebra, a perita salienta que o país asiático é ponto de  origem de pessoas traficadas para diferentes partes do mundo. Entre as  causas  estão condições socioeconómicas, impulsionadas por conflitos armados, disputas entre clãs e desastres naturais.  

Medidas

O aumento da pobreza, o desemprego nos jovens, as desigualdades de género, a discriminação e a violência baseada no género, especialmente contra mulheres e raparigas foram igualmente citados.

Para Ezeilo, para lidar com a situação as autoridades devem reforçar a implementação de medidas como a promoção da migração segura para o desenvolvimento.

Eficácia

No fim de uma visita de cinco dias ao país, a relatora saudou o forte empenho demonstrado pelas Filipinas na luta contra o fenómeno, mas pediu “eficácia no tratamento das causas profundas da pobreza, da falta de oportunidades de emprego e da discriminação”.

A  especialista de Direitos Humanos disse que a situação é perpetuada pelo abuso dos direitos humanos de filipinos expostos à exploração e extorsão por parte de corretores, empregadores e agentes de aplicação da lei.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud