Relatório aponta prejuízos da exploração florestal no Quénia

Relatório aponta prejuízos da exploração florestal no Quénia

Publicação apoiada pelo Pnuma recomenda ações sustentáveis para conter a desflorestamento que incluem a proteção contra os assentamentos descontrolados e uma melhor gestão das terras degradadas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O desflorestamento custou  US$ 68 milhões à economia do Quénia em 2010, refere um relatório apoiado pelo programa da ONU para o Meio Ambiente, Pnuma.

A escala maciça do desflorestamento é tido como tendo trazido prejuízos económicos  mostrado que “mais precisa ser feito a nível nacional”, com uma economia “altamente vulnerável à disponibilidade de água.”

Consumo

O documento recomenda ações sustentáveis para conter a desflorestamento como a proteção contra os assentamentos descontrolados, o melhoramento da gestão das terras degradadas e a monitorização do consumo das águas.

O documento “O Papel e o Contributo das Florestas de Montanha e os Seus Ecossistemas para a Economia Queniana” indica ter ocorrido uma desvalorização de 2,5% do contributo florestal.

Recursos

Com os novos dados, estima-se que a contribuição anual dos recursos para o Produto Interno Bruto ronde 3,6 %.

Entre 2000 e 2010, o desflorestamento de mais de 28,4 hectares levou à redução da disponibilidade de água de aproximadamente 62 milhões de metros cúbicos por ano.