Alta comissária quer que China tome providências sobre violações no Tibete BR

Alta comissária quer que China tome providências sobre violações no Tibete

Em comunicado, Navi Pillay disse que país asiático deve responder, rapidamente, a eventos que levaram a uma escalada em formas desesperadas de protestos como autoimolação.

 

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas emitiu um comunicado pedindo a autoridades chinesas que tomem providências sobre casos de violações dos direitos humanos no Tibete.

A alta comissária, Navi Pillay, afirmou que o país deve reagir, rapidamente, a uma escalada em formas desesperadas de protestos como autoimolação.

Desaparecimentos

Segundo ela, estão ocorrendo alegações de violência contra tibetanos à procura de liberdade de expressão, associações e culto. Pillay citou relatos de detenções e desaparecimentos, além do uso excessivo da força.

A alta comissária da ONU pediu ainda a libertação imediata de indivíduos e manifestantes pacíficos.

 Ela apelou aos tibetanos que evitem formas extremas de protestos, como a autoimolação. Pillay pediu aos líderes religiosos que ajudem a parar com a perda de vidas.

Navi Pillay encerrou a nota solicitando ao Governo Chinês que permita a visita de monitores independentes ao Tibete, e que o país suspenda restrições ao acesso da mídia à região.