Relator da ONU diz que Marrocos tem que fazer mais para erradicar tortura BR

Relator da ONU diz que Marrocos tem que fazer mais para erradicar tortura

Para Juan Méndez, situação melhorou, se comparada às décadas passadas, quando ocorriam muitos desaparecimentos, detenções secretas e tortura.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Marrocos deve fazer mais para erradicar as práticas de tortura no país. A declaração é do relator especial das Nações Unidas sobre Tortura, Juan Méndez.

Em comunicado, divulgado nesta segunda-feira, Méndez afirmou que o país do norte da África está vivenciando o nascimento de uma cultura de direitos humanos, e que a situação está melhor do que o quadro de décadas atrás, quando havia prisões secretas, desaparecimentos e outras violações. 

 Missão

Mas segundo ele, ainda há relatos críveis de que prisioneiros no Marrocos estão sendo submetidos a pressões física e mental durante interrogatórios.

Méndez concedeu uma entrevista a jornalistas no fim de uma missão de oito dias ao Marrocos, que terminou no sábado.

O especialista em direitos humanos contou que enquanto em casos de crimes normais, existem relatos de tratamento cruel, a prática de tortura parece ser mais associada a eventos como grandes manifestações, ou percepções de ameaças à segurança nacional ou em atos de terrorismo.

Vítimas

O relator da ONU afirmou que muitos juízes marroquinos e os promotores acabam descartando queixas de tortura e não investigam alegações.

Ele disse reconhecer as dificuldade devido ao grande fluxo de migrantes sem documentos no Marrocos, principalmente no norte do país.

Juan Méndez que se reuniu com autoridades e com a sociedade civil disse que lamentou o fato de não se encontrar com todos que pediram audiência com ele, especialmente as vítimas de alegações de violações.