Relator da ONU diz que lei internacional não apoia violência em protestos BR

Relator da ONU diz que lei internacional não apoia violência em protestos

Em comunicado, Maina Kiai condenou manifestações violentas ao redor do mundo em resposta a filme ant-islâmico.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O relator especial da ONU sobre os direitos à liberdade e à reunião pacífica condenou a violência que está ocorrendo, em várias partes do mundo, para protestar contra a produção de um filme considerado ofensivo a Maomé.

Em comunicado, emitido, nesta quarta-feira, Maina Kiai afirmou que as hostilidades, que já causaram várias mortes, durante as manifestações não são permitidas pelas leis internacionais de direitos humanos.

 Destruição e Assassinatos

Segundo ele, os protestos devem ser pacíficos e não servir de desculpas para crimes. O relator disse que a destruição de propriedades e o assassinato de inocentes são totalmente inaceitáveis.

A alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, afirmou estar profundamente chocada com o fato da perda de vidas e pediu que os autores sejam levados à justiça.

O relator especial ressaltou que os atos de violência não podem ser usados como pretexto para supressão da liberdade de manifestantes pacíficos em alguns países.

Maina Kiai encerrou a nota dizendo que “violência gera violência” e que o diálogo “tem que predominar em todo o tempo para assegurar o direito à liberdade e à reunião para todos.”