Fluxo de refugiados do Sudão vai aumentar com fim das chuvas, diz ONU

13 setembro 2012

Desde Junho de 2011, mais de 170 mil refugiados procuraram abrigo no Sudão do Sul; segundo Acnur, os obstáculos logísticos são um dos piores do mundo.

Camilo Malheiros Freire, da Rádio ONU em Nova York.*

O número de refugiados devido à violência e à insegurança alimentar no Sudão está a aumentar e pode chegar a 30 mil até o fim do ano, revela o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur.

Em nota, a agência indica que desde esta segunda-feira, mais de 500 pessoas cruzaram a fronteira para o Sudão do Sul. O número corresponde a  mais do dobro de refugiados registados durante o mesmo período no mês passado.

Chuvas

A tendência deve aumentar com o fim da temporada de chuvas, no que se prevê que possa debilitar a já frágil saúde de vários sudaneses que pretendem migrar, além de tornar o trajeto ainda mais difícil devido às inundações.

O diretor da Acnur na África, George Okoth-Obbo, disse que as agências da ONU tentam melhorar a situação dos refugiados aos acampamentos.

Subnutrição

Entretanto, o Programa Mundial de Alimentação, PMA, considera necessária uma “resposta humanitária extraordinária” para ajudar aos refugiados que chegam na maioria das vezes subnutridos e doentes nos acampamentos no Sudão do Sul.

Segundo a Acnur, os obstáculos logísticos do Sudão do Sul são um dos piores do mundo. As chuvas devem continuar a deixar intransitáveis as estradas até o fim do ano, o que torna muito complexo, o transporte de alimentos e outras provisões básicas, além de dispendioso.

Desde Junho de 2011, mais de 170 mil refugiados buscaram refúgio no Sudão do Sul. Okoth-Obbo advertiu às agências humanitárias internacionais que planejem para o aumento do fluxo de refugiados, com o fim da época chuvosa.

*Apresentação: Eleutério Guevane.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud