Conselho de Segurança debate relatório sobre situação no Haiti BR

Conselho de Segurança debate relatório sobre situação no Haiti

Um dos tópicos são os preparativos para as eleições legislativas, marcadas para o fim do ano, e a redução de tropas da ONU à medida que o país retoma a segurança.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Conselho de Segurança realiza nesta quarta-feira uma reunião para debater o relatório do Secretário-Geral sobre o Haiti.

A ilha caribenha conta com a força de paz da ONU, Minustah, desde 2004. O componente mílitar é liderado, atualmente, pelo general brasileiro, Fernado Goulart.

Eleições

Entre os tópicos do relatório estão as preparações para as eleições legislativas, marcadas para o fim do ano no Haiti.

O documento também menciona o combate à epidemia de cólera que já afetou mais de 580 mil pessoas desde outubro de 2010.

As Nações Unidas também estão analisando a redução de tropas de paz na ilha, uma vez que o país começa a retomar o controle da segurança.

Desdobramento

Nesta entrevista à Rádio ONU, a embaixadora do Brasil, Maria Luiza Ribeiro Viotti, falou sobre o papel do país neste processo como o maior contribuinte de tropas da Minustah.

“Nesse contexto, o Brasil irá, natualmente, adaptar seus contingentes em coordenação com o Secretariado da ONU e com os demais países que participam da Minustah. E isso é um desdobramento muito auspicioso que demonstra que o Haiti, pouco a pouco, volta à normalidade. Mas esta redução também é necessário que se faça de uma forma gradual para não prejudicar os avanços que vêm sendo obtidos.”

O Haiti continua dependendo da ajuda internacional, mais de dois anos após o terremoto que afetou o país. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, mais de 1 milhão de crianças em 3,2 mil escolas haitianas precisam de auxílio alimentar que vem do Unicef e do Programa Mundial de Alimentos, PMA.