Agência da ONU quer acesso de inspetores à instalação militar do Irã BR

Agência da ONU quer acesso de inspetores à instalação militar do Irã

Diretor-geral da Aiea, Yukiya Amano, pediu ao país que facilite o acesso à usina de Parchin, e disse que o Irã não está contribuindo como deveria.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

A Agência Internacional de Energia Atômica, Aiea, voltou a pedir ao Irã que autorize o acesso de inspetores nucleares à usina de Parchin.

Após uma reunião de diretores em Viena, o chefe da agência, Yukiya Amano afirmou que o fato de haver atividades atômicas no local desde fevereiro deste ano preocupa a agência.

Energia

Amano afirmou ainda que a situação terá um “impacto contrário na habilidade da Aiea de verificação.”

O programa nuclear iraniano é alvo de críticas por vários representantes da comunidade internacional que acreditam que o país possa estar construindo armas nucleares. Mas o Governo Iraniano afirma que o programa tem fins pacíficos para geração de energia.

Analistas dizem que um dos motivos da desconfiança foi a descoberta, em 2003, de que o Irã estaria escondendo suas ações nucleares por 18 anos. O ato também representou um rompimento das obrigações do Irã, como signatário do Tratado de Não-Proliferação Nuclear.

Dimensões

O chefe da Aiea afirmou, nesta segunda-feira, que a situação é frustrante porque “sem a cooperação completa do Irã, a agência não terá como resolver assuntos pendentes, incluindo a possibilidade de dimensões militares do programa.”

O Governo Iraniano respondeu a uma carta, de 29 de agosto, da agência dizendo que “as alegações de atividades nucleares na usina de Parchin não têm fundamento”.

Para Amano, o Irã não está colaborando como deveria. Ele pediu ao governo de Teerã que tome todos os passos necessários para cumprir com suas obrigações.