Alta de preço dos alimentos pode atrasar luta contra pobreza BR

Alta de preço dos alimentos pode atrasar luta contra pobreza

Especialista da FAO diz que subida de preços põe pressão sobre programas de transferência de renda, que são estratégia-chave da América Latina no combate à fome. 

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Um especialista da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, afirmou que a alta no preço dos alimentos pode atrasar a luta contra a pobreza na América Latina.

Em entrevista à Rádio ONU, Adoniram Sanches, encarregado de políticas para América Latina e Caribe, no Escritório Regional da FAO, em Santiago do Chile, falou sobre a situação nos países do Mercosul.

Exportadores

“Nós aqui do Mercosul: o Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Bolívia, somos exportadores de alimentos. Mas mesmo assim, 8% da população brasileira vivem em pobreza extrema. Então exporta, mas se descuida para dentro. Este número já chegou a ser, em 2003, ao redor de 24% da população. E nós (Brasil) temos exportação, temos petróleo, então conseguimos fazer uma política agressiva, como a da Argentina, para fazer este pagamento do custo social.”

Adoniram Sanches que foi vice-ministro do Programa Fome Zero, no Brasil, falou à Rádio ONU sobre o III Fórum da Frente Parlamentar contra a Fome da América Latina e Caribe.

O grupo encerrou o encontro, na semana passada, na Cidade da Guatemala. O objetivo da Frente é discutir medidas para erradicar a fome até 2025 na América Latina.