No Irão, Ban Ki-moon aborda programa nuclear iraniano e Holocausto

No Irão, Ban Ki-moon aborda programa nuclear iraniano e Holocausto

Secretário-Geral pede medidas necessárias para consolidar a confiança internacional quanto à natureza exclusivamente pacífica do programa nuclear; Teerão acolhe 16ª. Sessão do Movimento dos Não-Alinhados. 

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Secretário-Geral da ONU disse não haver ameaça maior para a paz e harmonia globais do que a proliferação nuclear. Ban Ki-moon discursava, esta quinta-feira, am Teerão na 16ª. Sessão do Movimento dos Não-Alinhados.

Dirigindo-se ao país anfitrião, que preside o grupo, Ban apontou que este pode ser moderador e ter um papel construtivo a nível internacional, que inclui uma ação responsável sobre o programa nuclear.

Confiança

Para o Secretário-Geral, o Governo Iraniano deve tomar as medidas necessárias para consolidar a confiança internacional quanto à natureza exclusivamente pacífica do seu programa nuclear.

No seu pronunciamento, Ban Ki-moon  considera o momento de ação de todos os líderes e pediu que as suas vozes sejam usadas diminuir tensões.

Médio Oriente

De acordo com Ban Ki-moon, o Médio Oriente deve estar livre de armas nucleares e do armamento de destruição em massa.

A recomendação é que Teerão observe as resoluções do Conselho de Segurança sobre asrmas nucleares e coopere totalmente com a Agência Internacional de Energia Atómica, Aiea.

Israel

Relativamente à divergências com Israel, Ban disse rejeitar ameaças por parte de qualquer Estado-membro da ONU “de destruir o outro ou negar fatos históricos como o Holocausto.”

Ban Ki-moon afirmou que alegações de que um Estado-membro, não tem o direito de existir, ou descrevendo-o em termos racistas, são erradas e prejudicam princípios que todos se comprometeram a defender.