Farmacêutica sul-africana em acordo sobre doenças tropicais negligenciadas

Farmacêutica sul-africana em acordo sobre doenças tropicais negligenciadas

OMPI saúda iniciativa que envolve a biofarmacêutica AstraZeneca e outras duas instituições de pesquisa; enfermidades são endémicas em 149 países e afetam mais de 1 mil milhão de pessoas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Organização Internacional para a Propriedade Intelectual, OMPI, saudou um acordo entre a biofarmacêutica AstraZeneca e três instituições de pesquisa.

O objetivo é permitir a investigação e o desenvolvimento de tratamentos para as doenças tropicais negligenciadas, que são endémicas em 149 países e afetam mais de 1 mil milhão de pessoas.

Parcerias

Os outros signatários são a farmacêutica sul-africana iThemba e as universidades norte-americana da Califórnia e britânica de Dundee. As parcerias foram estabelecidas no âmbito da iniciativa lançada há um ano pela agência da ONU.

Além da OMPI, o projeto envolve empresas farmacêuticas, académicos e instituições nacionais de pesquisa. A agência promete mais resultados nas próximas semanas e meses.

Medicamentos

No âmbito da parceria, os membros disponibilizam bens de propriedade intelectual como compostos farmacêuticos, tecnologias de investigação de medicamentos, dados regulatórios e experiências.

O acordo prevê o acesso irrestrito de pesquisadores qualificados de todo o mundo a uma base de dados, desde que a investigação seja focalizada em doenças tropicais negligenciadas, malária e tuberculose.

A venda de qualquer produto resultante das pesquisas também é livre de direitos, no caso de países menos avançados.