ONU reage à demissão de Kofi Annan como enviado especial à Síria

ONU reage à demissão de Kofi Annan como enviado especial à Síria

Secretário-Geral diz que se sente em dívida com o enviado e anuncia que vai discutir o nome do sucessor com a liderança da Liga Árabe.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Secretário-Geral da ONU lamentou, esta quinta-feira, a renúncia do enviado especial da organização e da Liga Árabe à Síria. Kofi Annan manifestou vontade de não renovar o mandato, que termina a 31 de Agosto.

Num comunicado, Ban Ki-moon disse que “Annan merece profunda admiração pelos esforços determinados e corajosos.” A renúncia do enviado também foi informada ao chefe da Liga Árabe, Nabil El Araby.

Questão da Síria

Para o Secretário-Geral, Koffi Annan lidou com “uma das tarefas mais difíceis e ingratas” ao assumir a questão da Síria.

Ban Ki-moon encerrou a nota referindo que se sente em dívida com Kofi Annan, e a equipe do enviado especial, por tudo que tentaram alcançar durante o período de trabalho.

Sucessor

O Secretário-Geral deverá discutir o nome de um sucessor para Kofi Annan, em breve, com a liderança da Liga Árabe. Ban disse que continuar o que chamou “derramamento de sangue” na Síria não é a saída para a crise.

De acordo com agências não-governamentais, até 15 mil pessoas podem ter morrido na violência política, iniciada em Março do ano passado no país.