Moçambique: Empréstimos vão estimular habitação social para mulher rural

2 agosto 2012

UN-Habitat promete construir 30 protótipos de casas de baixo custo na província central de Manica; cerca de 80% da população urbana vive em assentamentos informais no país.

Manuel Matola, da Rádio ONU em Maputo.

O Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, UN-Habitat, anunciou a promoção de um modelo de habitação social para mulheres pobres das zonas rurais de Moçambique.

A agência apoiou o desenvolvimento de um projeto na província central de Manica e deve vai avançar, ainda este ano, com a construção de 30 casas de baixo custo.

Autoridades

Falando à Rádio das Nações Unidas, em Maputo, o coordenador do UN-Habitat em Moçambique, Silva Magaia, considerou que a questão da habitação desafia as autoridades nacionais.

“Como resolver o problema da procura de habitação para as pessoas mais carentes? Atacamos este grupo alvo de mulheres pelas condições sócio-culturais da zona em que as mulheres ficam: numa situação muito vulnerável, pois não têm os seus direitos respeitados e, na maior parte das vezes, são elas as verdadeiras chefes de família”, disse.

Modalidade

Dados do UN-Habitat indicam que cerca oito em cada dez habitantes das zonas urbanas vivem em assentamentos informais. Silva Magaia explicou como será implementado o projeto.

“Vamos criar um fundo rotativo. À medida que as pessoas forem devolvendo o empréstimo, estes valores recuperados vão servir para construção de mais casas e de uma forma repetitiva alargar ainda a pessoas mais carentes”, defendeu.

Perfil

O responsável do UN-Habitat em Moçambique descreveu o perfil das pessoas que serão contempladas.

“Estão no setor informal, não têm um emprego confirmado, mas têm capacidade de geração de rendimento. São pessoas que, por tradição, são consideradas não elegíveis para terem acessos a créditos bancários. O que estamos a tentar é trazer a banca para este processo e experimentar ver até que ponto o risco pode ser minimizado em termos de capacidade de endividamento destas pessoas”, referiu.

Assentamentos

O UN-Habitat classifica como assentamentos informais as áreas sem arruamentos, acesso à água potável, sem ligação a uma via pública e com terrenos não demarcados.

No próximo ano, a agência das Nações Unidas e o governo moçambicano pretendem lançar uma campanha de sensibilização da população para abandonar os assentamentos informais em Moçambique.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud