Troca de tecnologia sobre biocombustíveis vai envolver países lusófonos

26 julho 2012

Instituições de ensino superior e entidades governamentais de Angola e Moçambique devem assinar acordo com o Brasil; 55 especialistas de 19 países debateram as mais recentes tecnologias na área de biocombustíveis.

[caption id="attachment_209677" align="alignleft" width="350" caption="Convénio de colaboração tecnológica beneficia países africanos"]

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O reforço da colaboração tecnológica entre o Brasil e os países africanos de língua portuguesa na produção de biocombustíveis será formalizado num acordo a ser firmado nos próximos meses.

Governos e universidades do Brasil, de Moçambique e de Angola são partes do convénio, anunciado em Pretória.  Até esta quinta-feira, 55 especialistas de 19 países participaram num curso sobre as mais recentes tecnologias na área de biocombustíveis com enfoque para países da África Austral.

Parceria

Falando à Rádio ONU, Eduardo Falabella,  membro do Comité Científico do Centro Internacional para Ciência e Alta Tecnologia Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial, Unido, abordou a parceria.

“Deveremos ter, no indício do ano que vem, o primeiro curso de biocombustíveis da segunda geração para países de língua portuguesa, que será realizado em Moçambique. Estamos agora, já sentados, começando a estruturar cursos, convidados, participantes. A partir desse curso deveremos assinar um convénio de colaboração tecnológica, provavelmente com a Universidade Federal do Rio de Janeiro e, não só universidades de Angola e de Moçambique, mas também entidades governamentais”, disse.

Esforços

O evento de especialistas está integrado nos esforços da Unido para impulsionar a atividade no continente africano, para o qual Falabella disse prognosticar muito potencial.

Resíduos

“A ideia de segunda geração é gerar combustíveis a partir de resíduos agrícolas, de modo a não ter problemas de competição, principalmente com as culturas de subsistência. Nesse sentido eu vejo um futuro bastante brilhante para a ideia de combustíveis de segunda geração em África contando com a ajuda dos países mais desenvolvidos nessa área como o Brasil”, explicou.

Para o especialista brasileiro, os países envolvidos no acordo podem ser aproximados pelas semelhanças em questões climáticas e da disponibilidade de produtos como o bagaço da cana-de açúcar e do coco.

Falabella defende que as questões  tecnológicas das nações africanas podem ser compensados com parcerias com outros países na área do conhecimento, ação e comércio de biocombustíveis.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud